domingo, 18 de abril de 2010

Fim.

Eram 18 horas do primeiro sábado e ele estava deitado na cama com os braços e as pernas esticados e afastados do corpo. Desde que acordou, ele estava assim, olhando para o teto meio que sem acreditar que era sábado e ele estava assim. O telefone não tinha tocado nenhuma vez.

Nem ia tocar.

6 comentários:

Igor disse...

Seus escritos são quase variações sobre um tema - isso de certo modo é bom, você está criando um estilo, ou sei lá.

("Porque o amor é a coisa mais triste quando se desfaz.")

Gabriel Mourão Soares disse...

Sim, são mesmo, e eu não sei se é bom ou ruim, mas meio que é o que vem.

Em minha defesa, esse blog é "temático", mesmo, então qualquer coisa que eu escreva que não seja "adeuada ao tema", eu não posto aqui. Mas isso não é desculpa.

Igor disse...

Ué, e você tem outro blog pra postar, por acaso?

Gabriel Mourão Soares disse...

A República, uai?

Igor disse...

É, mas os seus posts da República via de regra estão aqui, também! haha
Enfim, enfim.

Gabriel Mourão Soares disse...

Mentira!